quinta-feira, 3 de maio de 2012

Minas Meu Amor

Foto de Vanessa Kohler

Viajar é despedaçar-se. Da mesma forma que sente falta do pedaço perdido, aquele que viaja completa-se com as porções que lhe eram alheias, mas que agora lhe são mais próprias do que nunca. O viajante sai e dilacera-se, mas volta para casa mesmerizado, evoluído. Foi assim que retornei de minha recente viagem a Belo Horizonte.

Fui convidado a prestigiar o casamento da minha querida amiga Cris Guerra. Ela dispensa apresentações, mas caso alguém ainda não a conheça, é a dona do Hoje Vou Assim, primeiro blog de looks do dia do país e onde assino coluna semanal.

Foto de Luiza Villarroel

Minas, ao invés de São Paulo, vive no hoje. A metrópole paulistana vive o amanhã, o daqui seis meses, o longo prazo inexistente. Já Minas vive para o presente e talvez seja por isso que o mineiro se entregue com tanta alma naquilo que faz. Prova viva, faladeira e engraçadíssima disso é Odette Castro. Mãe de coração da Cris, Odette foi a responsável pela decoração do casório. Cada detalhezinho de cada arranjo deixa transparecer o cuidado e o zelo de seu trabalho. Odette não fez decoração, mas sim de-coração. As cúpulas de tecido que faziam das taças abajures, as cadeiras personalizadas, as bolas coloridas espalhadas pelo lugar, as fitas, os laços, as flores, tudo transbordava o carinho das suas mãos cuidadosas.

Odette Castro <3 por Samuel Costa/Fotoarena

No mineiro senti muita bondade, mas mais do que isso, uma entrega muito grande. Da garçonete ao mestre de cerimônia, o que se sente é uma doação tão sincera de si mesmo que é tocante. Enquanto que São Paulo aduba uma cultura de eficiência e punição, Minas adoça um conjunto de significados que versam sobre o carinho. Minas me fez acreditar ainda mais que é possível e muito recomendável contentar-se com a alegria do outro. Fez-me crer que quem me beija os amigos, adoça meus lábios e que felicidade é como um vinho bom, que quando aproveitado na solidão, fica tristonho.

Foto de Luiza Villarroel

Se o viajante de fato se dilacera e se compartimenta, se reconstrói e se reinventa e deixa, por cada canto em que passa, um pouquinho de si, fico convicto de que em Minas, ficou uma parte do meu coração.

Foto de Vanessa Kohler

Atualização: Salva de palmas também para o maravilhoso trabalho de Camilla Baetta, que também assinou a concepção criativa e executiva da cerimônia, além de ter se esmerado um bocado nos arranjos florais. 

10 comentários:

  1. Lindo texto Augusto ... Linda a Cris ! =)

    ResponderExcluir
  2. Fiquei emocionada ao ler esse texto que mais parece poesia! Minas é assim como poesia, é sentimento, e tem tanta beleza. Beleza em forma de natureza, de pessoas como a Cris e como essas imagens.
    Amo Minas, amo viajar, ir para outros Estados, outro País, mas, amo ficar aqui....abraços!

    ResponderExcluir
  3. Já era "sabido" que o casamento de Cris não ia ser diferente ou menos que isso.
    Pelas fotos, dá pra encher o coração de alegria em perceber que uma pessoa que você guarda com tanto zelo, num cantinho especial, finalmente teve o seu final feliz ou, na verdade, o início de uma nova vida.
    E pelas suas palavras (lindas, como sempre) pude concluir que todo esse carinho é compartilhado e que esse dia foi exatamente como a Cris merecia e sonhou.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Meu amor, senti o mesmo, e vc faz parte desse sentimento amoroso gratificante, que floresce em meu coração agora, que hámuito nasceu em Minas e sempre se realimenta doa ares de lá! bjs com saudade

    ResponderExcluir
  5. Narda e Nanda, minhas tão queridas, esse nosso Augusto é um primor de pessoa. E um escritor nato. E ainda tenho o privilégio de ser amiga dele e de vocês duas. Ai, ai, sou sortuda demais. Parece que esse texto dele, escrito com o coração jorrando, é o mais lindo de todos os lindos dele que já li. Tô estarrecida.

    ResponderExcluir
  6. Beijos carinhosos, Bel e Cássia!

    ResponderExcluir
  7. Augusto, meu amor ! Obrigada.|De Coração.

    ResponderExcluir
  8. Augusto, obrigada por nos presentear com este lindo texto e suas infinitas entrelinhas. Esta história é mais um prova divina de que o amor está em todos os lugares.

    Bravo!

    ResponderExcluir
  9. Texto emocionante Augusto Paz, e que olhos lindos tens!! conseguiste captar em palavras o amor e a felicidade da nossa querida Cris Guerra e de o seu felizardo noivo, Edmundo Bravo!Mais uma vez, felicidade aos dois!

    ResponderExcluir
  10. "Quem parte leva saudade...."

    Augusto vc é o must!
    Que delicadeza na escrita. Fiquei emocionada com suas palavras.
    Doces, encantadoras!
    Bjs mineiros,

    Luciana Leão

    ResponderExcluir