quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Casa de Criadores – Pitacos, Comentários e Afins

JOIA

Terminou ontem, 14/12 a 30ª edição da Casa de Criadores, evento que abre o calendário oficial da moda brasileira e de quebra revela novos talentos do métier. Reservo este post para dividir minhas impressões sobre os desfiles que aconteceram nos últimos três dias no Cine Joia, no bairro da Liberdade,`em São Paulo. Aproveito o ensejo para dar uma ótima notícia a quem me acha um almofadinhas pretensioso: estou me afastando ligeiramente das modas. Deixei meu posto de subeditor no portal de notícias Closet On Line para me aventurar nos mares da Mídia Social. Antes que comecem as fofoca, não houve brigas, ok? Vamos às notas.

Das acomodações
O Cine Joia é realmente muito interessante. As luzes, a estética etc. O lugar tem tudo para se tornar ponto cativo dos moderninhos paulistanos. No entanto, a locação não pareceu muito adequada para receber os desfiles. Sabemos que o evento recebe um público dito alternativo, mas os hipsters também gostam de conforto! Na primeira noite de apresentações, um dos medalhões da moda brasileira sintetizou perfeitamente o clima: “Mas essas cadeiras foram projetadas pela Bauhaus da Inquisição! Só pode!

Juliana Moriyajonathan Gurgel
Juliana Moriya e Jonathan Gurgel

Dos novatos
Geração Y, Millenials, Pokémons… podem chamar do nome que for, mas a minha geração das modas redime os pecados dos meus contemporâneos que são fãs de crepúsculo. Palmas muito animadas para o nível de execução das peças, muitas vezes superior aos estilistas veteranos do line up. Boto muita fé no sangue novo da nossa moda. O que precisamos agora é apresentar nossos novos criadores para o pessoal que estuda os têxteis. Aí sim veremos uma moda brasileira mais rentável e extremamente mais criativa. Um brinde aos novos!

AnhembiUSP
Lucas Devitti e Isadora Zendron (Anhembi Morumbi) e Karenn de Souza, Julie Serafim e Tamires Borges da Silva (USP)

Nome aos bois…
Já que falei dos novos, vamos citar alguns nomes. Tirando o chapéu para os vencedores do concurso Ponto Zero, Lucas Devitti e Isadora Zendron, que apresentaram uma coleção que falava sobre guerra e conseguiram se esquivar com muita esperteza dos clichês que vêm com o tema (martingales, galões, insígnias etc). Minhas colegas uspianas Karenn de Souza, Julie Serafim e Tamires Borges da Silva também merecem ser mencionadas. Não foi desta vez que minha querida Têxtil e Moda levou o caneco do Ponto Zero para casa, mas o trio desenvolveu uma coleção de básicos muito espertos. Sim, o trabalho carece de um tiquinho mais de coesão, mas as meninas estão bem encaminhadas! Cabe ainda um espaço para falar de Jonathan Gurgel, que deu um show em execução e coesão. E a quem acha que a coleção do cearense é “esquisita” demais, saibam que existe uma linha adaptada para o mercado. Sambou na cara dos haters lindamente.

SumemoTop Hat

É isso mesmo?
Não é de hoje que a Casa de Criadores tenta integrar marcas de moda de rua em seu line up. A Cavalera já ocupou o posto e hoje vai muito bem, ao que tudo indica. Levando o bastão do streetwear temos hoje as marcas Sumemo e a estreante Top Hat. É o que eu sempre digo, marcas essencialmente comerciais têm de trabalhar em dobro para se destacar entre os frufrus e estripulias conceituais do restante dos estilistas. A Top Hat, marca direcionada aos amantes do motociclismo, apresentou peças boas, mas não passou disso. Vamos dar um voto de confiança! Foi o début dos caras. Agora, a Sumemo está se tornando um caso complicado. Para começar, eu nunca vi uma marca que goste tanto de “causar”, e não no sentido bom da palavra. Desde a primeira temporada da Sumemo no evento, seus desfiles causam transtornos. Desta vez, a marca levou uma banda de rock para se apresentar ao vivo. Nada contra. Desfiles com música ao vivo são incríveis, mas a passagem de som atrapalhou o trabalho de estilistas, stylists, maquiadores, jornalistas e assessores no backstage e atrasou o término do evento. Não bastasse isso, o desfile seguiu a mesma fórmula de sempre. Tragam modelos tatuados, moças bem fornidas de carnes, duas ou três crianças, celebridades amigas, façam todos mostrarem o dedo médio e pronto. Desfile concluído. A crítica não é às marcas. Ambas são boas e têm produtos fortes. A crítica é direcionada ao formato do desfile. Pensem! E dica: mostrar o dedo do meio não choca mais ninguém , ok?

Spirodiro

Pequenos Notáveis
Quem me conhece sabe que tenho um abuso gigantesco de dois tipos de roupa: vestido de noiva e roupa de criança. No primeiro item, quem me deu o contra foi o estilista Antônio Viella, dono de um ateliê na Matias Aires, nos Jardins. No item “roupa de criança”, Silvia Ferraz da Spirodiro me deu um bitchslap de mestre! Desde sua primeira participação no evento – no Ponto Zero, há duas temporadas – ela vem aprimorando seu estilo e aparando alguns excessos. O mais importante de tudo, fazendo roupa de CRIANÇA e não essas tranqueiras que algumas lojas empurram a mães deslumbradas: modelagens adultas reduzidas que deixam as pobres meninas com cara de protótipo de piriguete.

Puxão de orelha
Fiquei embasbacado com a quantidade de barras tortas, calças mal cortadas e costuras repuxadas, principalmente nos desfiles dos veteranos! Minha gente, vamos caprichar um pouco mais na execução.

walério araújo

Uma surpresa
Já tinha visto uma coleção monocromática de Walério Araújo, mas os longos de jérsei de seu inverno 2012 estão, como diz Gilles Lipovetsky, “Do caralho!”

Meus queridos
Não dá para deixar um tópico para cada um, se não o post não termina hoje, mas foi muito bom ver meus  queridos Jadson Raniere, que parece estar com os pés mais próximos do solo, mas com o olhar mirando as alturas; Douglas Pranto e Glaucio Paiva da Jacinto, adoráveis e competentíssimos minimalistas que eu adoraria ver se arriscando um tiquinho mais; Ale Brito, que vem num crescente em termos de desenho e qualidade de roupa; Mario Francisco, que trabalha temas fortes com uma sensibilidade ímpar; Juss, que esta temporada estava um pouco mais introspectiva. Isso sem falar dos queridos da organização e das meninas lindas da Namídia, assessoria de imprensa responsável pelo evento.

Ale BritoDer Metropol
Ale Brito e Der Metropol

JacintoJuss
Jacinto e Juss

Nenhum comentário:

Postar um comentário