segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Moda e Gênero

androginia“Dá um bejim!”

Ontem, 28/8, aconteceu o VMA, Video Music Awards, uma das premiações que já foram mais relevantes mas que mesmo assim todo mundo assiste e comenta no Twitter da música americana. Como em todas as premiações do mainstream, o povo das modas fica doido assistindo à entrada das celebridades no tapete vermelho - preto no caso –. Como não podia deixar de ser, Lady Gaga impressionou a todos com seu figurino. Enquanto Katy Perry usava um (desastroso) Dior Couture com direito a Polenguinho na cabeça e Nicki Minaj se fantasiava de Pônei Maldito, Gaga resguardou-se e veio aos holofotes Jo Calderone, seu alter-ego. Camiseta branca, calça preta e topete à la Bob Dylan deixaram o pessoal de boca aberta. Enquanto todas foram de Lady Gaga, Lady Gaga foi de Lord Gaga!

Katy Perry WTFNicki Minaj Pônei Maldito

Lady Gaga ou Jo Calderone

A ideia foi boa, mas está longe de ser nova. Não digo que Gaga seja uma plagiadora, longe disso. A senhorita Germanotta é uma exímia catalisadora do que alguns pesquisadores de tendências e do campo da psicologia chamam de “Espírito do Tempo”, mas isso é assunto para outro post. Há algum tempo o assunto voltou à tona fashion e tem permeado as publicações de moda e desfiles ao redor do globo. Eu aproveito o ensejo para falar um pouco sobre o tema Moda e Gênero. Se eu fosse você, leria até o final. é sempre bom ter repertório para conversar com as bloguetes pseudinhas – e deixá-las com cara de “ué”.

Diana Crane em seu livro A Moda e seu Papel Social diz que nossas roupas são parte definidora de nosso comportamento e muito disso se deve ao fato de que os trajes carregam consigo uma série de significados e simbologias. Não é esperado que um rapaz que se vista como punk se comporte da mesma maneira que um que se vista como um novo dândi, da mesma forma que não se espera que um homem se comporte da mesma forma que uma mulher.

the-dandy-warhols“Fuck the system!!! OI?!”

Antes de continuarmos, é bom ter clara a diferença entre sexo e gênero. Sexo é biológico – direto assim! – Nasce-se do sexo masculino ou feminino – ou hermafrodita, mas aqui não é o caso… –. O gênero, por outro lado, é uma construção social e tem significados diferentes de região para região. A pesquisadora Sandra Lipsitz Bem – Não, ela não é parente do Dr Lipsitz do Rugrats – diz que apesar de todas as diferenças culturais, todas as sociedades definem os papéis de seus indivíduos tendo como base seu sexo.

Como já disse lá em cima, o jogo de gêneros voltou à moda. Mas por que camuflarmos nosso gênero? A História conta histórias de pessoas que, através de suas roupas, levavam vidas duplas como pessoas do sexo oposto. É o caso de Catalina e Erauso e Elena de Cespedes, duas espanholas que, vestidas como homens, deixaram as vidas tediosas que levavam como mulheres, para tornarem-se guerreiras. Existe na França, um caso oposto. François-Timóleon de Choisy foi um nobre que, por um capricho de sua mãe, vestiu-se de mulher até os 18 anos. Ele deixou um diário recheado de páginas onde manifestava seu desejo por voltar a vestir-se de mulher.

catalina-erauso-pasaje-historia2E você achando a Tammy Gretchen transgressora...

Na moda, a distinção mais clara dos gêneros começa na Idade Média e torna-se mais notável depois da Revolução Industrial. É nesse momento que a mulher se transforma em um troféu de seu marido e precisa se vestir com muito luxo para mostrar que tem um marido rico (#KhadijaFeelings) e apertar-se o máximo possível, de modo que não pudesse se mover e mostrar, assim, que seu marido era tão rico, mas tão rico, que podia contratam uma boa meia dúzia de empregados. Enquanto isso, os homens vestiam-se sobriamente, de preto e azul marinho.

No geral, é muito mais comum ver mulheres simulando a imagem masculina que o contrário. Podemos citar os dândis como exemplo do contrário a partir do momento em que são homens de vaidade extrema, um valor decididamente feminino. No século XX vemos ainda mais distorções de gênero. Nos anos 20, 30 e 40 as mulheres tomam muitas atitudes – e roupas – masculinas. A tendência se arrefece nos anos 50 com o surgimento do New Look de Dior.

Portrait of the Journalist Sylvia von Harden 1926Retrato da jornalista Sylvia Von Harden, 1926

Atualmente, podemos falar de Raquel Zimmerman e Agyness Deyn. Duas modelos que lançaram mão de atributos e poses masculinas em editoriais; James Franco, que posou vestido de mulher para a revista Candy; Lea T, que foi apadrinhada por Ricardo Tiscci da Givénchy e Andrej Pejic, cuja imagem é uma esfinge de gêneros. A confusão com Andrej é tanta que a capa da revista Dossier foi censurada porque os “peitinhos” do loiro/a ficavam expostos.

Andrej-PejicPagou peitinho, hein Andrej!

Raquel ZimmermannAgyness Deyn for Doc Martens
Raquel Zimmermann para Jean Paul Gaultier e Agyness Deyn para Doc Martens

james-franco-candy-magazine
James Franco para revista Candy

O lance é que parece que vivemos tempos mais femininos. As estatísticas não deixam mentir: as mulheres estão começando a tomar conta dos lares brasileiros e quando digo “tomar conta”, quero dizer que começam a encabeçar as decisões tomadas dentro de casa e administrar o dinheiro da família. Nada mais natural que sua estética permeie a figura masculina. Este ano a Levi’s lançou o modelo “Ex-Girlfriend Jeans”, uma calça mais justa que a providência divina feita para homens.

leaTLea T para Givenchy (é a de batom vermelho)

Andrej PejicAndrej Pejic

O que se conclui disso? Na verdade ainda não sei por certo, mas levando em conta que vivemos tempos de subversão de padrões, pode-se dizer que os padrões de gênero são rompidos para provocar, instigar e rejeitar tudo aquilo que é pré-estabelecido para cada sexo.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Congrats, Cris!!!

Parabéns Cris!!!

“Hoje vai ter uma festa! Bolo e Guaraná, muitos doces pra você” É com esse excerto de O Banquete, de Platão que começo este post especial. Comemora hoje mais uma primavera, nossa linda amiga e parceira de traquinagens fashion, Cris Guerra (@hojevouassim)!!!

Conheci a Cris durante minha primeira cobertura do Fashion Rio, no ano passado. Ela me foi apresentada pela Cecilia Lima (@CeciLima), que é hoje minha chefe. Foi um “oi” bem tímido, mas a empatia foi imediata… tenho um fraco pelo pessoal de Minas!

hoje vou assim2Photoshoot Relâmpago na sala de imprensa do Fashion Rio

Lá no Rio, a gente se juntava quase todas as noites para comer bons temaki na rua Farme de Amoedo e ficar falando bobagem até de madrugada. Junte o temaki com alguns bons drink e você me verá junto de Cris praticando corrida com obstáculos nas calçadas de Copacabana – nunca perdemos nenhum dente nas nossas aventuras de atletismo.

Para quem não sabe, Cris é publicitária por formação e criou o blog Hoje Vou Assim, pioneiro na publicação de fotos de look do dia no Brasil. Tudo começou como uma brincadeira, mas a página foi tomando proporções cada vez maiores. A quem se esmera em gongar o trabalho de Cris, fica o convite a ouvir alguma de suas colunas para a rádio Band News FM ou ler alguma de suas resenhas. Ela tem a habilidade de transformar texto de moda – e essa modalidade textual tem potencial enorme para ser enfadonha ou vazia – em um lindo poema. Cris é também blogueira oficial da Revista Gloss e certamente não é por causa de seus lindos olhos azuis.

Cris me inspira. Tanto pela história de vida, quanto pelo jeitinho mineirinho de ser. É incrível como em pouco tempo, surgiu uma amizade tão bonita. Acho que é como a minha mãe diz: “O santo bateu!”

IMG_9389

Cris, eu te desejo muita felicidade neste e em todos os seus dias! E mesmo a gente morando meio distante um do outro, quero que saiba que estou sempre contigo! <3

Mil beijos e parabéns!!!

domingo, 14 de agosto de 2011

Post Pro Pai

PaiFala sério! Meu pai era um boy magiaaa!!!

O tempo passa quando a gente se diverte – e quando a gente tem mais coisa pra fazer do que ficar choramingando sobre a vida no twitter. Ontem mesmo era carnaval e já estamos no dia dos pais. Como diria minha vizinha, dona Gervásia, “Que bença!”

Por ocasião de compromissos prafissionais, terei que abrir um precedente meio chato este ano e passarei o dia dos pais longe do meu. Para mostrar que não sou um filho desnaturado, resolvi pautá-lo para um post especial de dia dos pais. Fiquem tranquilos, pois não o escalei para nenhum editorial maluco, nem o obriguei a fazer um lookbook… Eu só me reservei a falar um pouquinho dele, fazendo link com moda, óbvio.

yvanPai???

Eduardo Paz, papai, nasceu em São Paulo, mas viveu toda infância e adolescência em São Bernardo do Campo, ABC Paulista. Não dá pra dizer que foi a mais abastada das infâncias… na verdade, ele conta que foi uma infância pobre mesmo! (Eufemismo é muito last season). Mas não pensem vocês que a família Paz vivia enrolada em farrapos. Muito pelo contrário! A espanholada tinha dresscodes rígidos para cada ocasião. Para atividades externas, tais quais jogar futebol na rua de terra batida, brincar de polícia e ladrão, arrastar carrinhos de lata pela calçada e outros logros a pedida era uma calça de lona que minha avó Adelaide fazia com os macacões de metalúrgico do meu avô Antônio. “No fim do dia a calça ficava dura de tanta terra” papai revela.

Para eventos formais, como casamentos na família ou feriados santos, o habillé do pequeno Eduardo variava entre uma bermuda de sarja combinada a uma camisa social e um conjunto de blazer e calça de algodão. Como essa era a mesma roupa que usava para ir à missa, o dresscode ficou chamado de “Roupinha de Ver Deus”.

spanish mobE aí? Com quem vocês acham que sou mais parecido? Com seu Edu ou com dona Ro?

Papai cresceu e aconteceu com ele o que ocorre invariavelmente com todos aqueles que fazem parte de uma família grande – e a nossa é particularmente enorme! Da última vez que contei eram 30 tios avós – papai começou a herdar as roupas dos primos mais velhos. Acontece que nos idos de 1970 os brechós ainda não estavam na moda e a Anna Dello Russo ainda não tinha emplacado o color blocking. O resultado foi um período um tanto tortuoso de bullying fashion. “Eh! Fui eu que ensinei seu pai a comprar roupa!” Desabafa mamãe. De fato, o senso de estilo do meu pai ainda não era muito apurado, o que resultava em combinações exóticas, como a calça boca de sino salmão com blazer azul marinho que ele usou em sua formatura. Eu prefiro acreditar que ele foi um precursosr do kitsch! Depois que ele amarrou os trapinhos com dona Rosangela – é sem acento mesmo – a percepção fashion do meu pai acordou pra vida. Muito do meu gosto clássico pra roupas é influência dele.

PaiArtIIPapai visto sob perspectivas mais artísticas

Enfim, todas essas galhofas só para mandar um beijão especial pro seu Eduardo e dizer que quase tudo do que eu sou e do que aprendi sobre a vida eu devo a ele. Não tem bolsa importada que supere bons valores.

Se saiu algum erro de digitação, perdoem-me! Escrevi o texto do avião e esse troço tá sacolejando demais!

BEIJO PAAAAAI!!!

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Cultura de Quinta! Pinacoteca do Estado promove encontros artísticos toda semana

Olá você fashionista, curioso, transeunte, estudante e congênere, fica a dica do programa cultural desta quinta-feira (e da próxima também).

palestra arte“Jente! Guarda a quinta ki a jente vai fasê um pograma babadeiro!”

Trata-se do projeto Sempre às Quintas, da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Todas as quintas-feiras, o museu traz um entendido do mundo das artes para uma conversa com o público. A primeira convidada é a Professora Daria Jaremtchuk, Doutora em Arte, Literatura e Cultura do Brasil. Ela leciona na Escola de Artes, Ciências e Humanidades – USP e eu tive a sorte de ser um de seus alunos. Aliás, muitos dos posts do blog que você lê agora foram fruto de discussões feitas durante suas aulas.

Imagem: Marina Malheiros

Não se deixe intimidar pelo sobrenome com poucas vogais, nem pelos cabelos vermelhos. A Professora Daria é gente finíssima e sabe lidar com gente curiosa que não entende muito do riscado artístico – eu me incluo na categoria!

Daria

Então larga mão de ficar lendo bloguxo sobre esmalte e vai botar um pouco de cultura nessa cabeça fashionista!

Você confere programa e horários abaixo (clique para ampliar e ver com mais nitidez).

sempre_as_quintas_agosto2