quarta-feira, 13 de julho de 2011

Entrevista – Conheça a Vish! Uma das marcas jovens mais promissoras do Brasil

Como subeditor do portal de notícias Closet On Line, fui, em nome da minha editora-chefe, Cecilia Lima, cobrir a primeira semana de moda da região sul do país, a Sul Fashion Week. O evento aconteceu durante o mês de junho e alternou uma bateria de desfiles com um salão de negócios. Foi uma ótima oportunidade para observar a vida fashion fora do eixo Rio-São Paulo. Uma das minhas mais gratas descobertas foi o trabalho de dois jovens designers catarinenses, Andreia Schmidt Passos e Luiz Wachelke. A dupla está encabeça a Vish! Uma marca jovem que começou vendendo camisetas, mas que em pouco tempo conseguiu se consolidar no mercado e galgar seu espaço no exterior.
Em entrevista ao blogueiro que vos fala, Luiz Wachelke conta um pouco sobre a Vish!, sobre as dificuldades que uma marca nova encontra para se estabelecer nos grandes centros e conta um pouco sobre o trabalho que desenvolverão para o Première Brasil, salão de tendências têxteis da francesa Première Vision.

duplaLuiz Wachelke e Andreia Schmidt Passos da Vish! em seu stand na Sul Fashion Week

Augusto Paz - Quando e como começou a marca?
Luiz Wachelke
- A Vish! foi criada em 2007, há quatro anos. [Eu e Andreia] nos conhecemos trabalhando numa marca feminina - cada um fazendo o que sabe melhor, eu como ilustrador de estampas e a Andreia como estilista. Desde essa época nos demos muito bem e percebemos que a dinâmica de trabalho de dupla era muito boa. Dividíamos um estilo de vida e um ponto de vista muito parecido sobre muitas coisas. Quando os dois resolveram sair da empresa na mesma época, percebemos que a gente precisava fazer algo junto. Foi aí que surgiu a Vish!, pra dar vazão a esse estilo de vida criativo em comum. Decidimos unir nossos repertórios complementares em moda e design e encarar o desafio - transformar nossas idéias e desejos em roupas que refletissem a leveza desse estilo de vida.
 
AP - Por que o nome “Vish”?
LW
- A marca está toda voltada para um certo ar de "freshness" - algo novo, criativo, diferente. Então pensamos num nome que passasse esses valores, algo até onomatopéico. O "Vish!" surgiu dessa ideia de exclamação, uma coisa memorável, mas ao mesmo tempo despretensiosa, fácil.

Vish2Vish! Inverno 2011


AP - Qual é a cara da Vish?
LW
- Sem dúvida a Vish! é jovem e moderna. Como a nossa proposta é traduzir em design e moda um estilo de vida criativo, percebemos que a marca muda sutilmente junto com a gente - mas sem perder sua essência. Ela tem muito dos nossos repertórios pessoais: ela é mais urbana, razoavelmente nostálgica, bem-humorada, despretensiosa e muito voltada à união entre design e moda que nosso trabalho em dupla representa. Por isso um tecido estampado nunca vai ser apenas um adereço para um vestido - ele vai ter algum toque de design diferente - e uma camiseta nunca vai se resumir a uma estampa - ela vai ter algum tecido e informação de moda especial.
 

AP - Que dificuldades vocês encontraram para consolidar a marca?
LW
- Quando criamos a marca tínhamos claro que a Vish! nunca se tornaria uma gigante da moda. O tipo de trabalho que a gente desenvolve - muito autoral - tem um público bastante definido e, por isso, ela preenche um nicho de mercado bem específico. Pra gente era muito mais importante que a marca se estruturasse e fosse reconhecida por seus valores, do que torná-la um sucesso comercial da noite pro dia. Tentamos desenvolver um trabalho diferente com a Vish!, nosso projeto autoral mesmo. Como a gente é inquieto, para equilibrar a gente também cria para outros clientes - empresas que nos contratam como dupla criativa.
Ironicamente, mesmo não sendo nosso foco, já tivemos excelentes surpresas comerciais com a própria Vish!, mas a consolidação veio através do reconhecimento da marca mesmo. Eu e a Andreia somos muito práticos e fomos aprendendo ao longo dos quatro anos como posicionar a marca para que ela fosse realmente reconhecida pela mídia, formadores de opinião e os consumidores certos. É um processo lento que requer muita dedicação e que tivemos que aprender. Por exemplo, por muito tempo fomos reconhecidos apenas pelas nossas "designer t-shirts", mas aos poucos fomos deixando claro que nosso trabalho vai muito além disso - ele consiste em tudo que pode ser criado misturando moda e design. Em suma, acredito que a paciência foi chave para encarar as dificuldades e desenvolver um trabalho sólido e coerente.

Vish1
 
AP - Quais são suas referências e como conciliam criativo com comercial?
LW
- Apesar de sermos apaixonados por moda, nossas formações passaram por outras faculdades: eu sou designer e a Andreia é jornalista. O repertório próprio de cada um de nós proporciona à marca um processo de criação e uma visão de moda bem particulares. Temos gostos parecidos e distintos ao mesmo tempo: eu sou mais pop, a Andreia mais cult. Eu baixo e assisto a todas as séries possíveis, enquanto a Andreia vive resgatando filmes antiquíssimos do fundo do baú. É difícil delimitar referências de moda da Vish!, mas temos muito claro que o início de todo e qualquer processo da marca envolve tendências de comportamento, nossas referências e desejos pessoais. Naturalmente a gente presta atenção em marcas que tenham esse apelo fresh e descomplicado - algo mais everyday do que alta-costura.
Em relação ao equilíbrio entre o criativo e o comercial, a Vish! tem um posicionamento muito bem pensado. Pra gente vale mais à pena criar uma peça que carregue nossos valores e venda bem, do que botar o conceito de lado e fazer algo que venda aos milhares. Normalmente a combinação dos valores da marca garante que as peças fiquem com essa cara equilibrada: são despretenciosas, fresh e criativas. Uma prova de que nosso objetivo não são as quantidades recorde de venda é a nossa nova proposta de criar sempre peças com tiragens limitadas - mais vale que a peça seja realmente valorizada pela criatividade por poucos do que abrir mão da sua cara para conquistar todos os mercados.

Vish3

AP - Em que pé está a marca hoje? De que projetos já participaram?
LW
- A marca hoje vive um terceiro momento - ainda mais empolgante. Durante os primeiros anos trabalhamos principalmente com as "designer t-shirts", peças que nos consagraram. Por isso a malharia da Vish! sempre foi muito forte. De umas três coleções pra cá decidimos expandir nosso mix de produto pra atender por completo esse "creative life-style" que a gente tanto fala. Aí surgiram camisas, calças, vestidos, peças que refletem nosso ponto de vista. Nessa nova coleção de verão demos mais um passo: começamos a criar nossas próprias estampas exclusivas em tecidos diversos. Assim surgem vestidos de algodão, calças de sarja, blazers, blusas - tudo estampado e com o mesmo traço manual e artsy que faz parte da nossa identidade. Acaba sendo um caminho bem natural, começar com camisetas estampadas, incluir novas peças e, em seguida, colocar a estampa nessas peças também.
Ao longo desses anos todos a Vish! já se envolveu em vários projetos - os mais variados possíveis, o que combina com a nossa inquietude criativa! Em eventos de moda nacionais já participamos de uma exposição da Casa de Criadores, fomos convidados a desfilar na semana de moda de Curitiba e, mais recentemente, participamos da primeira edição da Sul Fashion Week - que teve uma repercussão muito boa com um desfile que marca essa nova fase de trabalho de alfaiataria e tecidos estampados. Internacionalmente, fomos convidados pela Bread & Butter Berlim, o maior trade-show de streetwear do mundo. Ano passado estivemos lá e foi uma experiência incrível. Um pouco antes, em 2009, começamos a vender internacionalmente na Inglaterra, em duas lojas multimarcas - uma em Londres e uma em Brighton e fomos convidados a integrar o time de marcas de um Showroom em Madrid. Também na Espanha fomos convidados pelo Buffetlibre, coletivo criativo de DJs de Barcelona a participarmos de uma ação em parceria com a Anistia Internacial como uma das melhores marcas de designer t-shirts do mundo.
Atualmente estamos desenvolvendo alguns projetos com grandes empresas: RenauxView, Lunelli e Lancaster. Para a Lancaster, por exemplo, estamos desenvolvendo uma linha assinada de estampas para diversos segmentos.

Vish4
 
AP - Como vocês fazem para que as atividades profissionais não interfiram na amizade?
LW
- Acho que depois de seis anos convivendo e trabalhando juntos - antes e depois de começarmos a Vish! - já percebemos que é impossível dissociar os momentos de trabalho e os momentos informais. Nós dois temos muitas coisas em comum: valores, opiniões, pontos de vista, visão de mundo. Além disso, temos muito respeito e admiração mútua. É difícil encontrar uma pessoa em quem se possa confiar cegamente e é isso que encontramos um no outro. Confio no bom gosto dela, no posicionamento que ela assume em diversas situações e por aí vai. Em alguns momentos podemos discordar, mas esse desacordo normalmente resulta numa terceira solução, ainda melhor. Acho que é essa dinâmica - de pontos de vistas parecidos e diferentes ao mesmo tempo, num mesmo estilo de vida - que garantem nosso sucesso como dupla criativa. Hoje vivemos até em cidades diferentes - a Andreia em Florianópolis, eu em São Paulo - e nem por isso o trabalho ou a amizade são abalados.

bteecadeiragcamisacorrentes
Em primeira mão, o Verão 2012 da Vish!

AP - Conte um pouco sobre a participação na Première Brasil.
LW
- A nossa participação na Première Brasil acontece através de mais um projeto que estamos desenvolvendo. Vamos desenvolver uma mini-coleção junto com a Lunelli, criando peças que tenham os valores criativos da Vish! e os lançamentos e propostas em matéria-prima da Lunelli. Como uma marca que tem como peça consagrada a "designer t-shirt" é muito legal trabalhar junto a uma malharia totalmente voltada para inovação e qualidade do produto, a gente se sente realmente parte do processo - e privilegiados, podendo ter contato com a informação e a matéria-prima em primeira mão. É como se a gente participasse do "ciclo da moda" desde as primeiras etapas mais industriais, e não apenas de dentro do ateliê.

gteecorujagvestidofloral
Verão 2012 Vish! By Andreia Schmidt Passos e Luiz Wachelke

Nenhum comentário:

Postar um comentário