terça-feira, 27 de julho de 2010

Fur is Murder???

A Eco-Fashion tem tomado conta das rodas de discussão e das publicações de moda. Ouve-se falar sobre eco-bags, peças carbon-free e tantas outras coisas. Mas, fato é que boa parte dos estilistas e pessoas do meio que apregoam a Moda Verde entendem pouquíssimo sobre o assunto. O Glauco Sabino, do Descolex já falou sobre.

Imagens: Reprodução

Criações verdes (mesmo!) dos estilistas do Project Runway


A consequência disso é que somos bombardeados com informações que não passam de baboseira. Antes de tentarmos abraçar o mundo com as pernas, temos de nos dar conta de que o mercado do ecologicamente correto é, antes de tudo, um MERCADO, ou seja, visa lucro - nem que para isso seja necessário estampar os jornais com manchetes que anunciem o fim do mundo.

O ponto aonde quero chegar é o seguinte: uma boa parcela desse discurso ecológico é demagogia pura. Tomemos o exemplo dos casacos de pele. Muita gente torce o nariz e fala que é crueldade. Já cheguei a ler a expressão "Holocausto Animal" fazendo referência ao uso de peles. De fato, algumas marcas de segunda linha não dão muita atenção ao trato com os animais. Entretanto, basta pesquisar um pouco sobre o assunto para perceber que a realidade é outra. As marcas que trabalham com peles certificadas oferecem condições adequadas aos animais que serão abatidos. Isso se reflete diretamente na qualidade de produto final.



Mesmo assim, se você ainda acha que usar pele - mesmo que certificada - é uma mostra de crueldade, pense duas vezes antes de sair por aí vestindo seu jeans preferido. Há grandes chances de que ele tenha sido confeccionado em uma oficina de Bombaim por uma menina de menos de dez anos que recebe menos de um dólar por peça fechada.

Não sou contra a Eco-Fashion. Sou contra as mentiras do mercado do ecologicamente correto, que se utiliza de ufanismos para nos empurrar produtos que de ecológicos não têm nada.


"Jeans is Murder!" - Gritarão turbas enfurecidas

Nós, os futuros profissionais da moda, precisamos de coerência e de discernimento. Portanto, antes de sair às ruas pregando o fim dos casacos de zibeline e apoiando o uso de fibras de bambu, informe-se. Façamos uma moda mais coerente.

Leia Também: O que é moda sustentável?

4 comentários:

  1. Eu tenho um pouco dessa hipocresia de não gostar de peles mas comer carne!
    Não tenho opinião formada, mas de fato pele não é desejo de consumo pra mim.
    Gostei do post.

    ResponderExcluir
  2. Que texto incrível! Do pobre boi ninguém tem dó e continua usando jaqueta de couro, né!?

    ps; Sou amiga da Vivy e da Dinha (para não parecer completamente X)

    ResponderExcluir
  3. Sou vegetariano, mas não sou eco-chato, no entanto, não apóio peles, acho que a indústria, principalmente aquelas que estão a serviço das grandes maisons parisienses, tem condições de investir em tecnologias que produzam tecidos que se assemelhem as peles.

    Em minha opinião isso é puro capricho...

    ResponderExcluir
  4. Caro Otávio,

    Estou apurando matéria para a revista OH! do jornal O Globo sobre o uso de peles nas coleções de Outono-Inverno. Poderia me passar seu telefone para contato pois gostaria de entrevistá-
    lo?

    Obrigada.

    Claudia Rodrigues

    ResponderExcluir