domingo, 4 de abril de 2010

Pulseiras do Sexo - Moda e Imagem


            O começo dos anos 2000 e o surgimento dos clubbers trouxeram ao cenário fashion uma explosão de cores e looks cheios de acessórios e simbolismos. Os cabelos eram arrepiados e empastados de gel wet-look e as roupas extremamente coloridas. Nem os cadarços escapavam dos tons neon. Não tardou, os acessórios feitos de plástico e resina popularizaram-se. Eu me lembro de estar na escola e ver meninas correndo pra lá e pra cá pelo pátio com os braços cheios de pulseirinhas de resina coloridas. As pulseiras iam até os cotovelos! Depois de alguns meses todo mundo se cansou e foi jogar game boy color (estou ficando velho...).

            Faz algum tempo, subindo a Augusta, vi umas meninas, quinze anos, no máximo usando os acessórios que povoaram uma temporada de verão da minha vida. Percebi mais gente usando as pulseiras, inclusive os garotos. Estranhei um pouco, mas atribuí o comeback ao vintagismo. Fui pesquisar nos blogs e no twitter e fiquei meio apoplético. As “novas” pulseirinhas multicoloridas surgiram nas raves inglesas e se chamam jelly bracelets (pulseiras de geleia). Cada cor tem um significado, todos sexuais. É como um jogo de pêra, uva, maçã e salada-mista, só que desta vez envolvendo sexo oral.

            O sucesso das jelly bracelets traz à tona dois temas muito importantes: Os valores da sociedade moderna e a moda como uso da expressão de ideias e pensamentos. Não estou aqui para falar de valores.

            Vivemos, respiramos, consumimos, produzimos e exportamos sexo, qual a surpresa em vermos meninas e meninos de quatorze anos andando por aí com ele estampado nas testas? (Neste caso, nos pulsos). O resultado da equação Sexo + Hormônios Malucos + Cabeças Confusas não poderia ser outro. Desse ponto de vista, as jelly bracelets são apenas um produto de tudo o que esse pessoal consome e isso abre espaço para outras discussões, tais como o consumo consciente, a perda do auto-respeito e o desenvolvimento de senso crítico.

Foto de Flickr


            Já que moda é mensagem, qual então a diferença entre uma jelly azul e uma camiseta com os dizeres free blowjobs? O que impede uma massa de adolescentes de usar essas porn t-shirts hipotéticas é uma pontinha de pudor (ou de vergonha) que ainda existe – Percebeu que valores e moda são assuntos intrínsecos? Ainda falando sobre moda e mensagem, muitos dos que usam as jelly bracelets são crianças e adolescentes não sexualmente ativos. O que os levaria então a usar pulseirinhas que dizem que eles estão dispostos a fazer sexo e sabe lá mais o quê a troco de nada? - O status! A moda sempre esteve intimamente ligada ao status e esta não é a primeira vez que ela se relaciona ao status sexual, veja o exemplo da minissaia e do bikini em meados do século XX. Mesmo que o garoto nunca tenha dado um beijo na boca, todos os seus amigos ficarão impressionados quando o virem com uma jelly de cor X ou Y.

            As jelly bracelets são apenas mais um exemplo da influência do meio sobre o indivíduo. E como essa influência se traduz? Moda, meus caros! Suas roupas estão cheias de mensagens codificadas, impregnadas com a sua personalidade. Cabe apenas a você traduzir seus pensamentos em peças de vestuário. Como você quer que o mundo te veja?

Nenhum comentário:

Postar um comentário