quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Um Século de Tribos (Pte I)

Essa é a primeira de uma série de postagens sobre os diversos grupos sociais e tribos urbanas do século XX e como eles influenciaram o seu guarda roupa! Enjoy.


Flapper (anos 1920) - As flappers eram garotas que queriam mais era curtir a vida e dançar Chraleston até os pés sangrarem! Elas, sem dúvida alguma, foram transgressoras. Foram as primeiras mulheres a fumar em público e a usar vestidos na altura do joelho. "Umas desfrutáveis" diziam as vovós e mamães republicanas. As flappers eram motivadas pura e simplesmente pela joie de vivre e pelo sentimento de que a vida é curta e frágil que a primeira guerra mundial causou nas pessoas. Vamos combinar? Aqueles vestidinhos franjados são um loosho!!!






Zoot (anos 1930) - Surgidos nos bares de Jazz da New York City dos agitados anos 1930, os zooties eram comumente vistos nos salões de baile do Harlem e adjacências. Eles eram os caras mais badass das redondezas e era possível reconhecê-los pelos paletós oversized, geralmente acompanhados por um sobretudo de gabardine. Notoriamente conhecidos por serem bons dançarinos e muito galantes, podemos dizer que os zooties são os avós dos manos yo-yo from da hood, afinal, eles tinham fama de maus meninos, dançavam como ninguém e adoravam correntes e relógios imensos! Bling that thing!







Zazou (anos 1940) - Já falei deles aqui! O movimento zazou surgiu na França, na cidade de Vichy, depois da dominação nazista. Alguns entendidos dizem que são uma derivação dos zooties, devido as roupas largas e predileção pelo xadrez tartan. Formavam um movimento de contracultura e contestavam, mesmo que subliminarmente, o domínio nazista. Os zazoux, jovens da classe média francesa, gostavam de se reunir em cafés da Champs Élysée e em bares de jazz do Boulevard Saint-Michel. As roupas dos zazoux eram bem características, os moços usavam blazers e casacos que iam até os joelhos, calças justas, gravatas estreitas, tudo com cara de roupa de segunda mão, mesmo. As meninas usavam jaquetas de ombros largos, saias curtas e meias compridas e listradas.




Rockabilly (anos 1950) – Mais do que um estilo musical, o rockabilly era um estilo de vida! Inspirados pela maldade inocente de James Dean, os rockabillies inovaram ao usar a t-shirt branca como peça de vestuário normal e não como roupa íntima. Brilhantina e contrabaixos davam o tom dessa que talvez tenha sido uma das mais musicais tribos urbanas. Os guapos se vestiam com calças jeans, t-shirt branca, jaqueta de couro ou blazer e tinham os cabelos empastados de brilhantina. As meninas usavam sapatinhos de verniz, saias em corte godé guarda chuva e camisa. Os acessórios e cabelos são um capítulo à parte. Topetinhos adornados com faixas e presilhas eram os perdiletos.



Mod (anos 1960) - Surgiram em 1950, mas seu auge foi na década de 60. Os mods eram jovens da classe média londrina que eram movidos por ternos italianos, jazz e anfetaminas. Identificar um mod não era tarefa difícil, eles sempre estavam em pubs, vestindo ternos e calças justos, fumando e pilotando uma vespa. Os cabelos eram bagunçados ou à la beatles (moptop). Os mods apreciavam arte vanguardista e as novidades tecnlógicas. Foram um grupo social que abraçou gêneros musicais diversos: jazz, R&B, soul, ska e outros. Os mods eram inimigos mortais dos rockers.



* * *
Looks by (em ordem):

Dior, 2009
Costume National, 2009
Armani, 2009
Gucci, 2008
Roland Mouret, 2004

Nenhum comentário:

Postar um comentário