sábado, 23 de janeiro de 2010

Ganâncias de Inverno - SPFW

Depois de uma cansativa, porém muuuuuito proveitosa, semana de moda, eu fiz um balancinho das coisas que PRECISAM entrar no meu armário nesta temporada!
Como diria Katylene: Vem Comeego!


Este casaco é da marca Do Estilista. O desfile aconteceu ontem e foi bem intenso. Bastante melancólico, triste, MARA! Apesar dos eventuais escorregões na passarela de carvão, o Marcelo Sommer conseguiu imprimir uma imagem de austeridade e de bitter-sweetness que me impressionou.
Outra coisa que me impressionou foi esse casaco lindo que o Herchcovitch usou no desfile! Quero muito! As peças de alfaiataria estavam muito boas mesmo! Só espero que faça frio o suficiente pra eu poder usar...


O Lino Villaventura inovou trazendo às passarelas uma silhueta masculina super diferente. I fell in love com essas pantalonas de menino! Eu sei que o hype da semana foram as leggings à la ceroula da Colcci, mas eu fui muito mais com a cara das pantalonas. Claro que a cintura tem que ser um pouco mais baixa, mas essa calça é perfeita pra fazer um passeio diurno e parece ser bem fresquinha! Só preciso comprar sapatos que combinem... Tio Lino, pode usar com all-star???


Este casaco do Alexandre Herchcovitch é simplesmente uma ganância! Só tem uma manga, então fica parecendo metade-casaco-metade-capa. É mais uma das invencionices de Herchovitch que me fizeram suspirar! Já me vejo passeando com ele e minha skinny favorita.
Aliás, nessa temporada o Alexandre trablhou bastante! Além de coordenar duas coleções, ele deu uma desfilada marota pro Marcelo Sommer.


 A 2nd Floor me fez babar com uma nova técnica têxtil criada por eles. Reparem na blusa aqui do lado direito. Ela começa em moletom e termina em tricot. Incrivel, né?! Eles desenvolveram uma trama especial que permite essa "ilusão de óptica" têxtil. Achei uma ganância. Se alguém da 2nd Floor estiver lendo isso, pode me presentear com uma blusa dessas. Tamanho P, faizfavô. Também curti a camisa xadrez. A camisa pode ser PP. Deus me deu um bom metabolismo.

Na foto, esse hoodie do Mario queiroz não parece ter muita graça, mas eu estava no desfile e pude testemunhar toda a awesomeness dessa peça! O desfile foi inspirado nos punks ingleses e essa blusa é mais ou menos uma brincadeira do estilista. O capuz tem um moicano que lembra os chapéus da guarda real (aqueles caras que ficam na frente do palácio de Buckingham  e não podem dar risada). Será que nenhuma alma boa e caridosa quer me dar essa peça maravilhosésima de presente?

A saia mesa apresentada pelo Samuel Cirnansck sair-me-á muito útil! além do aspecto prático, e mais óbvio, de apoiar várias coisas sobre ela, existe o aspecto higiênico, que impede que pessoas suadas e fedidas se aproximem de mim! Só vai ser um pouco difícil entrar no trem pra ir por trabalho, mas who cares? Ah! Por favor, não apóiem copos molhados na minha saia!

um longo e tenebroso inverno!

Amequenhos! Perdoem minha ausência!
Acontece que agora sou parte integrante do portal www.fashionbubbles.com e a semana de moda foi uma verdadeira loucura! Modelos correndo pra todos os lados, jornalistas batendo boca com seguranças, sub-celebridades se matando por um lugar na fila A e outras coisas nada glamourosas!
Vou avisando também que em breve o blog vai virar parte do Fashion Bubbles, ou seja, ficaremos ainda mais loosho!
Em breve apareço com alguma sandice fashion

Bisoux

sábado, 9 de janeiro de 2010

Um Século de Tribos (Pte II)

Hippie (anos 1960) – Surgidos em um contexto sócio-político bastante conturbado, os hippies queriam um mundo mais pacífico e livre e praticavam a não-violência e o amor-livre (Provavelmente seus pais são fruto do amor-livre...). Os hippies se utilizaram muito da linguagem visual para fortalecer seu movimento. Suas barbas e cabelos compridos e roupas largas de segunda mão chocavam os pais conservadores e veteranos da segunda guerra. Vestiam-se dessa maneira por serem contrários ao consumismo e ao controle capitalista. Os Beatles foram os responsáveis pela popularização do movimento e consequente popularização de certos itens. Alguns bons, como a bolsa-carteiro e outros péssimos, como o incenso de patchouly!





Punk (anos 1970) – Do It Yourself! Faça você mesmo! Não é nome de revista de artesanato, é o mote do movimento punk, que aliás está impregnado em nossa cultura até hoje, graças a Deus. A primeira manifestação do punk se deu em 1974 no bar CBGB’s em Nova York com uma apresentação dos Ramones, já ouviu falar? Os punks cultuavam a liberdade, a juventude, a diversão e principalmente a música. Depois de anos vivendo entre os hippies, os punks resgataram a cultura rock’n’roll, com suas jaquetas, tachinhas, rebites, all-stars semi-decompostos e calças justas. Em Londres, sob a tutela de Malcolm McLaren e Vivienne Westwood, os Sex Pistols debochavam dos valores políticos com suásticas, símbolos comunistas e roupas sadomasoquistas.



Yuppie – Young Urban Professional (anos 1980) – Tidos por muitos como eupátridas bem penteados, os yuppies surgiram nos anos 80 nas grandes metrópoles, destaque para NYC. Eles eram jovens, muitas vezes recém-saídos da faculdade, que tinham ótimos empregos, ótimos salários e faziam questão de externar tudo isso. Faziam-no através de ternos Armani e telefones celulares, na época, extravagantemente enormes e caríssimos. Eram muito ambiciosos e na maioria das vezes levavam os valores empresariais para dentro de casa. O que aconteceu com eles? Alguns se mataram durante a crise dos 40, outros conseguiram se tornar magnatas corporativos. É a vida.




New Wave (anos 1980) – O New Wave, assim como o punk, teve origem na gruta sagrada do rock, o CBGB’s. Começou como estilo musical, mas não demorou a se tornar um movimento. Há muitas derivações no New Wave. Havia os góticos, que gostavam de ouvir The Cure o dia inteiro, os party monsters que batiam cabelo ao som de B52’s e os mais bizarros, que ouviam o Boy George (e tentavam copiar o look...). Havia muitos sub-grupos, porém todos tinham algo em comum: As ombreiras descomunais e os penteados exóticos! São símbolos do New Wave: Cyndi Lauper, Madonna, Smiths, etc.



Clubber (anos 1990) – A versão oficial diz que o clubber nasceu nas casas noturnas inglesas, mas hpá quem diga que o primeiro deles brotou de uma rave em Osaka... O que se sabe é que usavam dezenas de peças de roupa sobrepostas, uma mais colorida que a outra. O modo de vestir dos clubbers era cheio de simbolismos, cada badulaque significava uma causa que apoiavam. Gostavam de pintar os cabelos, usar piercings e fazer tatuagens tribais. Era bastante fácil identificar um clubber! Eles não tinham uma causa a defender, como os hippies, só eram adeptos à tolerância para todos os grupos. Queriam mesmo era bater um cabelão sem preconceitos!


* * *
Fotos dos looks: style.com - looks by:

Diane von Furstenberg (2010)
Balmain (2009)
Armani (2010)
Marc Jacobs (2008)
Comme des Garçons (2010)



quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Um Século de Tribos (Pte I)

Essa é a primeira de uma série de postagens sobre os diversos grupos sociais e tribos urbanas do século XX e como eles influenciaram o seu guarda roupa! Enjoy.


Flapper (anos 1920) - As flappers eram garotas que queriam mais era curtir a vida e dançar Chraleston até os pés sangrarem! Elas, sem dúvida alguma, foram transgressoras. Foram as primeiras mulheres a fumar em público e a usar vestidos na altura do joelho. "Umas desfrutáveis" diziam as vovós e mamães republicanas. As flappers eram motivadas pura e simplesmente pela joie de vivre e pelo sentimento de que a vida é curta e frágil que a primeira guerra mundial causou nas pessoas. Vamos combinar? Aqueles vestidinhos franjados são um loosho!!!






Zoot (anos 1930) - Surgidos nos bares de Jazz da New York City dos agitados anos 1930, os zooties eram comumente vistos nos salões de baile do Harlem e adjacências. Eles eram os caras mais badass das redondezas e era possível reconhecê-los pelos paletós oversized, geralmente acompanhados por um sobretudo de gabardine. Notoriamente conhecidos por serem bons dançarinos e muito galantes, podemos dizer que os zooties são os avós dos manos yo-yo from da hood, afinal, eles tinham fama de maus meninos, dançavam como ninguém e adoravam correntes e relógios imensos! Bling that thing!







Zazou (anos 1940) - Já falei deles aqui! O movimento zazou surgiu na França, na cidade de Vichy, depois da dominação nazista. Alguns entendidos dizem que são uma derivação dos zooties, devido as roupas largas e predileção pelo xadrez tartan. Formavam um movimento de contracultura e contestavam, mesmo que subliminarmente, o domínio nazista. Os zazoux, jovens da classe média francesa, gostavam de se reunir em cafés da Champs Élysée e em bares de jazz do Boulevard Saint-Michel. As roupas dos zazoux eram bem características, os moços usavam blazers e casacos que iam até os joelhos, calças justas, gravatas estreitas, tudo com cara de roupa de segunda mão, mesmo. As meninas usavam jaquetas de ombros largos, saias curtas e meias compridas e listradas.




Rockabilly (anos 1950) – Mais do que um estilo musical, o rockabilly era um estilo de vida! Inspirados pela maldade inocente de James Dean, os rockabillies inovaram ao usar a t-shirt branca como peça de vestuário normal e não como roupa íntima. Brilhantina e contrabaixos davam o tom dessa que talvez tenha sido uma das mais musicais tribos urbanas. Os guapos se vestiam com calças jeans, t-shirt branca, jaqueta de couro ou blazer e tinham os cabelos empastados de brilhantina. As meninas usavam sapatinhos de verniz, saias em corte godé guarda chuva e camisa. Os acessórios e cabelos são um capítulo à parte. Topetinhos adornados com faixas e presilhas eram os perdiletos.



Mod (anos 1960) - Surgiram em 1950, mas seu auge foi na década de 60. Os mods eram jovens da classe média londrina que eram movidos por ternos italianos, jazz e anfetaminas. Identificar um mod não era tarefa difícil, eles sempre estavam em pubs, vestindo ternos e calças justos, fumando e pilotando uma vespa. Os cabelos eram bagunçados ou à la beatles (moptop). Os mods apreciavam arte vanguardista e as novidades tecnlógicas. Foram um grupo social que abraçou gêneros musicais diversos: jazz, R&B, soul, ska e outros. Os mods eram inimigos mortais dos rockers.



* * *
Looks by (em ordem):

Dior, 2009
Costume National, 2009
Armani, 2009
Gucci, 2008
Roland Mouret, 2004

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

ZAZOU DE VERÃO!

EBAAAAAAA!!!!!! ACABOU 2009!!!!!!! VIVA 2010!!!!!!!!
E pra começar o ano do jeito certo tem coisa melhor que um editorial as fierce as can be???
A hypadíssima fotógrafa Bárbara Bessa topou bater umas fotos despretensiosas da zazou. O resultado é este:

(Clique para Ampliar)
























* * *
Quem quiser uma pode mandar um e-mail (augusto.t.paz@gmail.com) ou entrar na loja virtual (loosho!!!) http://www.augustopaz.elo7.com.br/