terça-feira, 22 de dezembro de 2009

10 X-MAS GIFT NO-NO'S

Gravatas


Diz a etiqueta que a única pessoa que pode presentear um homem com uma gravata é sua respectiva esposa. Diz o bom senso que os homens devem comprar suas próprias gravatas! A menos que a gravata seja extremamente incrível, não presenteie com gravatas. É um item muito boooooooring!


Cuecas, meias e congêneres

Avós do Brasil, ouçam-me: Seus netos não querem ganhar roupas íntimas! Eles já são bem crescidinhos e podem comprar suas próprias, meias, cuecas, calcinhas, sutiãs e afins (se é que há algum afim...). Se a questão for financeira, tenho certeza de que eles não se importarão e que sua companhia na ceia já é mais que suficiente, agora, se você tiver netos mimados e reclamões, use sua autoridade de avó e dê-lhes uns bons puxões de orelha!


Kit Troiseième Âge

O kit Troisième Âge (francês para terceira idade) é composto por alguns itens chave – Conjuntos de helanca, chinelinhos de plush, anáguas e afins. Esqueça a helanca da sua vida! Ninguém gosta de helanca! Nem quem precisa usar helanca gosta de helanca! Os donos da tecelagem de helanca detestam helanca e é muito provável que a pessoa que você vai presentear odeie esse tecido também. Agora, se o seu presenteado estiver te devendo uma grana preta... HELANCA NELE!!!


Miniaturas

Presentear um colecionador com uma miniatura rara é uma coisa, agora presentear seu sobrinho com um carrinho que ele não vai poder tirar da estante é uma sacanagem sem precedentes! Nem pense em dar aquelas estatuetas de “melhor mãe do mundo” para a sua! Ela pode dizer que adorou, mas fique certo de que sua herança acaba de diminuir!


Eletrodomésticos

Quem presenteia com eletrodomésticos não tem noção da mensagem incutida dentro daquela batedeira universal que está prestes a ser entregue no amigo-secreto. Dar um eletrodoméstico a uma mulher, em escala filosófica, equivale a encontrar a Simone de Bouvoir na rua, espancá-la, vesti-la como uma kashohona e levá-la ao baile funk, ou seja, é negar todo o ideal feminista e jogar no lixo décadas de luta pelos direitos das mulheres. É, se eu fosse você, deixava a batedeira pra lá...


Camamesaebanhododemônio

Esta categoria se relaciona com a anterior, exceto que neste caso, os homens também podem ser surpreendidos com um lindo e prático jogo de fronhas, ou uma “maravilhosa” e “felpuda” toalha de “argodão ejípissio, 10 fios e meio”. Geralmente esses presentes são repassados. Cuidado parentes, eles podem voltar!



Bibelôs

A ladainha é a mesma da das miniaturas, exceto que os bibelôs não agradam NINGUÉM! O pior em se ganhar bibelôs é ter que expô-los em algum canto da sua casa e elogiá-los devotamente toda vez que a tia Candoca for visitar. A dica é: O velho é eficaz truque de empurrar o priminho pentelho em cima de mesinha de canto, derrubando, desafortunadamente, toooooodos os bibelôs! Que crime...



DVD de 10,99

A menos que seja um filme raríssimo, que você deu a sorte de encontrar na gôndola frontal daquela loja de departamentos (aquela mesmo), esqueça os DVD’s da promoção. A menos que você tenha um escudo protetor contra sorrisos amarelos.



Perfume

Você pode dar pro chefe aquele perfume importado caríssimo que você dividiu em trinta e nove prestações no carnê só pra impressionar. Se o patrão não gostar do cheiro, não tem Cristo que o faça usar! É melhor empregar seu suado dinheirinho em um presente mais democrático. Tem coisa mais pessoa que perfume?


Vinho Barato

Ao dar vinho barato você dá como brinde uma ressaca de proporções nunca antes imaginadas! Dê um litro de vinagre, mas não dê vinho barato! Não tem dinheiro pro prosecco? Leva tubaína que você vai fazer a alegria da criançada! Dica grande!

domingo, 20 de dezembro de 2009

VERÃO APOCALÍPTICO

Minha lépídas leitoras, eis que apresento-lhes a mais três peças perfeitas para este verão! A primeira - O Vestido Figaro /Fi-ga-rrô/ - tem uma belo par de bolsos que funciona como anquinhas, dando um charme a mais na roupa; A Segunda peça é a Blusa Fog, em crepe de seda, com uma gola inimitável e única! Por fim, o Vestido Iwo Jima, com um ligeiro toque oriental. Todas as peças têm um quê de futurismo e foi por esse viés que o ensaio se guiou. Amusez-vous!






























Modelo: Bia de Toledo
Cenografia: Renato Mendes
Roupas: Eu Mesmo! (Augusto Paz)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

RUN TOWARDS LE ZAZOU!!!

Leitoras garbosas, amanhã sai do forno uma edição especial de Zazoux (sim, o plural é com X) nas cores que vocês escolheram na enquete. Acontece que o número de peças é über limitado, o que significa que apenas algumas sortudas conseguirão ter em posse essa linda blusa que se transforma em quatro!
As interessadas em fazer reservas podem entrar em contato comigo pelo e-mail augusto.t.paz@gmail.com ou deixar um comment.
Para dar um gostinho, as cores das zazoux.
Deleitem-se!


Branco, Nude, Coral e Turquesa
Reserve a sua!!!

domingo, 13 de dezembro de 2009

A Moda e a Guerra

As duas Grandes Guerras certamente configuraram importantes câmbios socioeconômicos no cenário mundial. Houve a ascensão dos Estados Unidos como grande potência e o desenvolvimento de novas tecnologias. Todavia, é quase sempre ignorado o efeito que os dois grandes conflitos surtiram na indumentária feminina.


No século XIX, as nobres e burguesas vestiam-se com pompa. Usavam vestidos feitos sob medida, que muitas vezes levavam mais de cinquenta metros de tecido. Sem mencionar os riquíssimos bordados feitos à mão e a delicada aplicação de pedras preciosas. As mulheres ainda usavam os torturantes espartilhos e a vida era opulenta e próspera.

Nos anos 1910 surge a Belle–Époque. As cinturas continuam finas, mas os quadris se avolumam com anquinhas e volumosas anáguas. É resgatado o ideário Greco-romano e começa-se a fazer uso de tecidos leves, rendas e drapés. Os salões de baile estavam sempre lotados e a última moda eram as soirées. No final da década, entretanto, estoura a Primeira Guerra Mundial e as atenções - e recursos – do mundo voltaram-se para o conflito. As consequência disso foram devastadores para o mundo da moda. Estilistas tais quais Jean Patou e Paul Poiret (aquele que livrou as mulheres dos torturantes espartilhos) foram convocados à batalha e tiveram de fechar seus ateliers. Em consequência disso, surgem no mainstream fashion nomes femininos como Madeleine Vionnet e Coco Chanel. A situação sociopolítica não permitia mais extravagâncias. Os coloridos vestidos de tecidos exóticos tiveram de ser substituídos por peças mais práticas, simples e sérias. Vide a criação dos tailleurs de jersey de Chanel. Em vez dos delicados vestidos de renda e das botinhas da Belle Époque, a mulher da Primeira Guerra Mundial teve de se contentar com vestidos de flanela e algodão, mais baratos e duráveis, e sapatos baixos. Além disso, a mulher teve de assumir os postos de trabalho deixados pelo contingente masculino, que se encontrava agora em campo de batalha. O resultado: A moda quase desapareceu. Optava-se por peças essencialmente práticas ou uniformes.

Com o fim da Primeira Guerra, os artistas que retornaram dos campos de batalha encontraram uma Europa completamente transformada, física e ideologicamente. As mulheres, agora parte da força trabalhadora, recusavam-se a relegar-se à posição de objetos reprodutores e surgiu a consciência de que a vida é frágil e curta. Surge então o espírito jovial, influenciado pela filosofia Carpe Diem que permeia toda a década de 1920. Começam os “Anos Loucos”. Entra em voga o visual à la garçonne. Surgem a flappers, ou melindrosas, mulheres ousadas sempre vestidas de maneira ousada e munidas de cigarros e estolas. Uma transgressão sem precedentes. Nos anos 1930 a mulher retoma seu glamour e a indústria têxtil, seu fôlego. É então que estoura a Segunda Guerra. A dominação alemã quase aniquilou o mercado de tecidos europeu, uma vez que o fürher impusera cotas de importação de tecidos aos países do Velho Continente e isso refletiu na maneira de vestir feminina. A mulher voltou, desta vez definitivamente, ao mercado de trabalho e para ir às fábricas de bicicleta fez uso de calças compridas. Na falta de meias-finas, faziam riscos com carvão nas panturrilhas a fim de simular a costura da meia-calça. Fez-se uso de tecidos alternativos, como a viscose e o raiom. O corte tornou-se mais reto e popularizou-se o estilo militar. Os saltos se alargaram e a indumentária, de maneira geral, escureceu-se. A mudança mais importante na moda no período da Segunda Guerra Mundial não ocorreu nos croquis, nem nas paletas de cores, mas sim na logística. Surge o prêt-à-porter. A necessidade fez com que as mulheres preferissem roupas avulsas que podiam ser combinadas entre si, para compor looks diferentes. Com o final da guerra, a silhueta feminizou-se novamente e as cores tornaram-se mais alegres, abrindo espaço para o que um dia o mundo viria a conhecer por New Look.

Mais do que mudanças na indumentária, as Grandes Guerras transformaram o pensamento feminino. A mulher viu que poderia exercer um papel mais preponderante na sociedade. O uso de calças, por exemplo suscita a ideia de que a mulher é tão competente quanto o homem, esse foi um fashion statement importantíssimo, afinal, ao fazer uso da peça a mulher, mesmo que inconscientemente gritou ao mundo que era tão competente quanto o homem e que poderia sim, assumir o papel de provedora do sustento familiar. Foi o começo de uma revolução que dura até hoje.

* * *
Fotos by: Thursday's Antiques, Flickr, Refinery29, Vogue - 1939

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Minha Amiga Tâmara

Guapos e guapas, estou sem tempo, mas mesmo assim farei um post rápido!
Essa aqui é minha amiga Tâmara (sim, igual à fruta!). Nós nos conhecemos enquanto eu trabalhava no atelier da loja Moça Prendada, que aliás é perfeita para moiçoilas que estejam procurando uns bafos bem ladylike.
A Tâ veio do Recife para dividir com nós paulistas todo seu talento nos bordados. ela ahaaaaazaaaaaa!
Aqui ela está usando duas peças minhas.
*Photo shoot básico na hora do almoço*




Nota: As duas peças estão à venda na loja Moça Prendada. Prestigiem-me!

domingo, 6 de dezembro de 2009

ANOTHER 10 FASHION NO-NO'S!!!

Ela está de volta! Toda faceira, sastrosa e, sobretudo, benemérita, a lista de 10 Fashion No-No's! Como ontem foi meu aniversário, eu me dei esse presente, afinal eu adoooooro dar essas consultorias de Ph mais... Ácido!
(Contando com a consultoria e endosso da queridíssima Thaís, do Fashion Bubbles).



Papete - As papetes foram uma pegadinha fashion, tolinhos! Nos anos 90 elas fizeram sucesso e todo mundo desfilava por aí com elas. Até que nos anos 2000 o designer responsável surgiu detrás de uma árvore, rindo das caras de todos e bradando: BRIIIIIIIINKSSSSSSS!!!!!! Se algum dia você cogitar a hipótese de vesti-las novamente, considere os flip-flops de couro. Super trendy!



Overprinting - Fala sério, você realmente achou que combinar argyle com listras com pois multicoloridos era uma boa? Na hora de escolher estampas, "menos é mais", como diria minha amiga Gabi. Se mesmo assim, você curtir um mix-and-match de estampas preste atenção na dica: Escolha no máximo duas padronagens, as quais devem ter pelo menos uma cor em comum. Mesmo assim, peça opinião de seis pessoas antes de colocar os pés pra fora de casa.


Bandana - Estamos em vias de terminar a década de 2000 e ainda tem gente usando bandana! Esses abomináveis quadrados de flanela foram popularizados pelos grunges nos anos 90. Vamos grifar? Anos 90. Se você for utilitarista e só usa a bandana para evitar que a franja caia nos olhos tente as tiaras, são o it-accessory do verão 2010!






Duo Catástrofe: Sapato Preto + Meia Branca - David Letterman, essa é pra você! As meias brancas tornaram-se um problema ao longo dos anos. Falo então pela última vez: Meias brancas só são admitidas em quatro casos:
- Quando você está de tênis (e não sapatos) brancos;
- Quando você está na academia (de tênis brancos, de preferência)
- Quando você está disputando uma partida de baseball
- Quando você trabalha em restaurantes dos anos 60
Fora isso, esqueça! A cor da meia deve sempre ser coordenada com a cor do sapato!



Suéter Natalino - Deus foi muito bom com os trópicos e fez o Natal coincidir com um calor maravilhoso! Infelizmente, nossos amigos anglo-saxões não tiveram a mesma sorte. As mães de família, então, aproveitam-se dessa condição meteorológica para expiar todos seus pecados em seus descendentes, fazendo-os vestir suéteres especialmente comprados para a noite de Natal, um mimo! American mamas, just don't, ok?
Nota: Sua filha disse que gostou do suéter que você deu, mas na verdade ela queria algo mais ou menos assim



Sapatênis - É o calçado do bancário descolado! Por favor, tenha um pouco de bom senso. Se você trabalha em um ambiente formal não adianta tentar burlar o dress-code com o sapatênis. Ninguém mandou se formar em economia! Para ambientes mais rígidos, não tem jeito vai ter que usar sapatos (sem fivela!), agora, se o lugar permite algumas transgressões os tênis flat são a alternativa perfeita.



Matching Twins - Gêmeo que sou, sinto-me no dever de erguer essa bandeira - Chega de vestir gêmeos com roupas idênticas!!! Isso gera um trauma enorme e eu estou certo de que você não quer ser a mãe da nova Suzane Richthoffen. Não é difícil escolher dois pares de roupas diferentes. Eu sei que cuidar de gêmeos é dificílimo, então trago um dado: Comprando para cada filho apenas dez tops e cinco bottoms tem-se nada menos que cinquenta combinações completamente diferentes e trauma-free!



Homem de Regata - No medidor de uó (uómetro), onde 0 é Glória Khalil e 10 é Geisy Arruda, homens de camiseta regata alcançam picos de 6,75 a 7 pontos! Ao vestir uma regata, especialmente uma nadadora, o guapo só conseguirá se parecer com duas coisas: pagodeiro e barbie do banheirão do Frei.
Se a intenção é seduzir a galere na balada, vá de baby-look; se você está morrendo de calor mesmo, fique com a boa e velha camiseta de mangas curtas!





Cabelo Água de Salsicha - Amiga, que tal economizar um pouquinho do salário e trocar o cabeleireiro do bairro por um cabeleireiro de verdade? A cor Água de Salsicha (ou Eau du Suicisse, como diria a cartela de cores francesa) é a mais unflattering de todas! Cabelo vermelho é uma coisa! Mas tintura barata deixa esse look de embutido. Portanto, na hora de dar aquela recauchutada no salão de coiffure, pense melhor na cor das madeixas. conselho: Manda um e-mail pro Marco Antônio di Biaggi , quem sabe ele não responde?



Óculos de Sol de Armação Branca - Como disse meu amigo Gerson "É melhor você sair de casa tapando o sol com jornal!" Os óculos em geral formam uma grande linha horizontal no rosto e todo mundo sabe (ou deveria saber) que linhas horizontais tem a irritante tendência de fazer as coisas parecerem mais gordas do que são. Quando você pinta essa linha de branco então...
A Chanel lançou óculos de armação branca em uma Cruise Collection há algumas temporadas, mas eu liguei pro Karl e disse: "Nicht, Karl, Nicht"

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Dia Mundial de Combate à AIDS

Hoje, como todos sabem (ou deveriam saber) é o dia mundial de combate à AIDS. Ao longo dos anos, podemos ver que o homem avançou muito no que tange ao tratamento da doença. Quem quiser sabem mais pode assistir ao filme "And the band played on", de 1993.
Vamos às fashionices? Para comemorar este dia que nos faz lembrar sobre a importância da vida e sobre o senso de responsabilidade, resolvi fazer um croqui especial.
É um vestido vermelho básico todo feito de cetim de seda e trabalhado com uma grande tira - também de cetim - rufada ao longo do corpo. Espero que gostem ou que odeiem - Não fiquem em cima do muro.

Bisoux



segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Guernica!

Amigos, amigas, fashionistas e perdidos no rolê,
Para encerrar novembro com chave de ouro, que tal um pouco de cultura? O Glauco Sabino, do Descolex twittou esse vídeo incrível! Assisti e não pude deixar de me emocionar, afinal minha família é espanhola e boa parte dela chegou aos domínios de Pindorama fugidos da Guerra Civil e da Primeira Guerra.
Besos e bom fim de novembro!

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Oat Montien

Garimpando no site da Dazed&Confused, encontrei o trabalho de Oat Montien, um ilustrador taiwanês que impressiona pela delicadeza de seus traços e pelo uso inteligente das cores. Estudante de Design Gráfico na Central Saint Martins, Montien já foi agraciado com diversos prêmios e já fez trabalhos para a Universal Music e para Dior.
Não sei quanto a vocês, mas eu achei o trabalho dele um tanto parecido com o da Laura Laine, desenhista que fez ilustrações para Zara e outras marcas.
É visível a influência oriental no trabalho de Montien e muito curiosa a maneira com que o artista contrapões situações extremas com traços suaves.
Os orientais vivem me surpreendendo!







Imagens by Dazed&Confused

terça-feira, 24 de novembro de 2009

ZAZOU!!!

Os zazous foram uma tribo urbana francesa surgida durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente durante a tomada da cidade de Vichy (aquela do xadrez!). Os zazous caracterizavam-se por usar casacos compridos e largos, muito xadrez e saias godé. O zazou foi um movimento de contra-cultura regado a jazz e whisky.
Entretanto a minha zazou pouco tem a ver com a França, apesar de ser este o ano francês no Brasil. Eu falo da Blusa Zazou! A modelagem é larga e bem versátil, pode ser usada de quatro maneiras diferentes (todas chiquérrimas). Foi pensada para o verão e para as altas temperaturas litorâneas.
Quem quiser, é só falar comigo: augusto.t.paz@gmail.com
Enjoy!